Nossos corpos-territórios, nossa saúde

By 13 abril 2022LAWA news

Nossos corpos-territórios, nossa saúde

Corpo-território é um termo-chave de interpretação que feministas comunitárias da América Latina e do Caribe utilizam para falar da interconexão entre os corpos humanos, a Terra e todos os seres vivos. O bem-estar ou saúde holística implica cuidado e apoio mútuo onde a natureza, a terra, e todos os seres vivos são considerados parte de um todo. 

No entanto, foi triste saber que durante a pandemia de Covid-19 as condições de vida em nossos países latino-americanos pioraram em alguns aspectos. Doenças consideradas erradicadas foram registradas na Venezuela. Surgiram surtos de malária, tuberculose, zika, e chicungunha, enquanto que os casos de HIV aumentaram por falta de cuidados médicos e remédios. Casos de dengue, sarampo e câncer aumentaram no México, enquanto que os casos de gripe sazonal se agravaram no Chile. Casos de cólera e desnutrição afetaram comunidades indígenas e crianças na Colômbia, onde vários casos de mortes por desnutrição grave ocorreram ao longo de 2020. 

Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), a Covid-19 causou um retrocesso de 30 anos nos índices de pobreza na maioria dos países da América Latina e do Caribe. A mesma organização indicou que em 2020 o número de mulheres sem renda própria aumentou e os níveis de pobreza permaneceram altos em áreas rurais e entre povos indígenas e crianças. Assim sendo, a feminização da pobreza continua sendo um dos principais desafios a serem vencidos. 

Não é por acaso que nas periferias das cidades latino-americanas e nas áreas rurais, a pobreza econômica, a desertificação dos territórios, e a despejo de água e de solo contaminado é sinal do fracasso das políticas neoliberais e mais uma dívida histórica com as mulheres e a natureza. Essas áreas, habitadas por comunidades indígenas e migrantes precarizadas, apresentam doenças e problemas sociais que poderiam ser evitados se houvesse cobertura universal e gratuita de saúde e educação laica e pública, assim como alternativas de acesso a um espaço limpo, com água potável e alimentação saudável para seus habitantes. É aí onde as mulheres e as dissidências sexo-genéricas podem desempenhar um papel fundamental como Agentes de Mudança. 

As mulheres continuam sendo as mais afetadas, mas também as que mais resistem, se organizam e viabilizam a esperança, como vimos durante a pandemia. Nas periferias da Argentina e do Chile, por exemplo, grupos comunitários se organizaram para que não faltassem alimentos saudáveis em alguns bairros. Abrigos para mulheres trans transformaram seus espaços em lugares de ajuda mútua, e outros grupos ofereceram apoio mútuo lançando campanhas de arrecadação de fundos para os mais necessitados. 

Essas experiências comunitárias de apoio mútuo e solidariedade em tempos de crise são consideradas formas de “acorpamento” (acuerpamiento em espanhol) que, para a feminista comunitária e curandeira ancestral guatemalteca, Lorena Cabnal, se refere a “ação pessoal e coletiva de nossos corpos indignados ante as injustiças que vivem outros corpos”. Para ela, redes de resistência entre mulheres e suas comunidades constroem um espaço aberto à troca de energia política e sabedoria espiritual e ancestral, bem como desenvolvem ferramentas de autocuidado e ajuda mútua para resistir e agir contra as múltiplas opressões vividas e sentidas. Desta forma, se colocam no centro da vida os corpos-territórios; ou seja, a visão holística de ser parte de um todo. 

“Acorpar-se” é uma forma de resistência, organização e reivindicação para que nossos corpos-territórios da América e do Caribe se curem. Doenças, desapropriação de terras e exclusão social deveriam ser erradicadas. O apoio internacional não é suficiente se não houver vontade política local para mudar as formas de governo. 

Neste Dia Mundial da Saúde 2022, como latino-americanas no Reino Unido, queremos que as políticas de privatização da saúde, dos recursos naturais e da educação sejam descartadas. Desejamos saúde e queremos justiça social, racial e ambiental para os corpos-territórios indígenas, afrodescendentes e periféricos que carregam nos ombros a esperança de um mundo melhor onde tudo seja para todos. 

Referências:

  • https:://www.eluniversal.com.mx/mundo/las-otras-epidemias-de-america-latina https://www.lafm.com.co/colombia/mas-de-100-ninos-han-muerto-por-desnutricion-en-colombia-durante-el-2021
  • “Sube la extrema pobreza en América Latina a niveles no vistos en casi 30 años”, en: https://news.un.org/es/story/2022/01/1503172

Ilustração: @moarabrasil

In order to protect the health and wellbeing of our service users and staff, we will only take pre-booked face-to-face appointments. To book one, please call us on 02072750321 or use our online chat from 9:30 am to 5:30 pm. We will also maintain our remote support. If you require vital assistance, please call 999 available 24 hours, or call the National Domestic Violence Helpline freephone on 0808 2000 247. For more information, go to: https://lawadv.org.uk/en/get-help-coronavirus/