Erradicando estereótipos de identidades trans

By 15 dezembro 2021LAWA news

Na América Latina e no Caribe, durante a pandemia, as taxas de feminicídio dispararam drasticamente e os transfemicídios também aumentaram, especialmente na Argentina. Nos anos anteriores, o Brasil teve as maiores taxas de crimes de ódio contra pessoas trans, ou transfemicídios, seguido pelo México2. A maioria desses crimes está ligada à normalização profundamente arraigada da violência de gênero, sobretudo no que diz respeito aos corpos das mulheres e corpos feminizados. Em nosso mundo ideal, a erradicação de práticas e tradições que perpetuam estereótipos prejudiciais sobre mulheres trans é parte de nosso objetivo de desmantelar a violência patriarcal. 

As pessoas trans vivenciam a exclusão social e a discriminação pela falta de reconhecimento como pessoa, pela falta de políticas públicas que as reconheçam como pessoas que têm direitos e que deveriam ter autonomia sobre seus próprios corpos e identidades. A estigmatização e o ódio que a sociedade expressa à comunidade trans se deve à falta de informação, ao medo do desconhecido e a tudo que está fora dos limites do que é considerado normal, sistemas de poder e por causa da violência sistêmica de gênero. 

A desinformação espalhada pela mídia de massa sobre identidades trans as transforma em caricaturas e é desumanizante. Os discursos conservadores e essencialistas fazem o mesmo, as pessoas em posições de poder disseminam e, ao fazê-lo, influenciam a opinião pública com suas palavras, expressões e pontos de vista. 

Neste contexto, onde o assassinato de corpos feminizados se tornou tão normalizado em nossa sociedade e onde as visões políticas conservadoras e as visões religiosas fundamentalistas estão ganhando espaço, é importante considerar a erradicação de todos os tipos de violência e práticas nocivas baseadas em estereótipos. 

Nesse cenário, onde clamamos por nossas vidas e nosso direito de viver em um espaço seguro e livre de violência, deveríamos exigir o mesmo para as pessoas trans também. 

Se quisermos ser aliadxs, basta olhar para a nossa própria história para perceber que a diversidade de gênero e sexualidade existe há muito tempo. Também poderíamos examinar a possibilidade de uma sociedade não binária e nos libertar dos tabus. Praticar o feminismo interseccional, ouvir histórias de pessoas que estão vivendo essas realidades e levantar as causas pelas quais as pessoas trans estão lutando para erradicar estereótipos e violência para que as gerações futuras não tenham que experimentar a mesma situação, também faz parte desta Revolução Feminista. 

 

In order to protect the health and wellbeing of our service users and staff, we will only take pre-booked face-to-face appointments. To book one, please call us on 02072750321 or use our online chat from 9:30 am to 5:30 pm. We will also maintain our remote support. If you require vital assistance, please call 999 available 24 hours, or call the National Domestic Violence Helpline freephone on 0808 2000 247. For more information, go to: https://lawadv.org.uk/en/get-help-coronavirus/ 

Open chat